Arre Macho!

Todas as verdades desta nossa cavalariça...

terça-feira, julho 25, 2006

4) Categoria “FLOP”

4) Categoria “FLOP”

Destina-se a exaltar a rês, ou conjunto de reses, detentoras das seguintes qualidades:
- Cegueira (ignorância) profissional em grau considerável;
- Nota elevada na UTC a narcisismo congénito e vontade de protagonismo;
- Incoerência nas atitudes e determinações;
- Paixão pelos media;

NOMEAÇÕES

A – COMANDANTE NEWTON

Mercê de aturado estudo e devoção à causa pública, este GTI, no pouco tempo de serviço na quinta tem mostrado apetência e qualidades à propositura de diversas categorias de cagalhão. A nomeação para esta classe deve-se ao esforço que tem desenvolvido no sentido de fazer sobressair a “obra” a que meteu ombros. A mais recente foi a de, cansado de passar despercebido no universo politico e militar, ter aproveitado o ensejo que lhe passou mais de perto – o da inauguração do Posto de Sesimbra. Após ordenar a elaboração de um plano para a cerimónia de inauguração para a qual se auto-nomeou, aí foi ele, por entre vivas e convivas, proceder ao descerramento da placa “alusiva ao acto” onde, muito justamente e para a posteridade, figurava o seu nome como entidade que concretizou o sonho dos GTDs.
Sabedor da proeza, o Dr. Costa (que passou ao lado da “inauguração” e nem convidado foi para não beliscar o protagonismo do herói) mandou, simplesmente, arriar a laje já devidamente pregada no local (que se cria) definitivo.
O “encarregado” engoliu em seco e… como é costume, calou. Tivesse o autor de uma tal argolada sido um simples mortal GTD que seria entregue aos trabalhos da Santa Inquisição, transferido para a IG e, sumariamente, sujeito a tratos de poullé.
A indulgência serve-se gota a gota, em doses individuais, e à medida dos autores das argoladas. Cada caso é um caso, n’é?
Mas que foi um gesto muito bonito, lá isso foi.
Vai lá, vai, que até o PT abana.


B – SEXA ENCARREGADO-GERAL

A nomeação para esta categoria apresenta duas “prestações” que reputamos consideravelmente elucidativas da performance do candidato:
a. - Andavam as cavalgaduras tétricas, de ar lúgubre e meditabundo pela pouca atenção que o Divino Protector vinha demonstrando pela carreira do encarregado. Acagaçados, temiam até a substituição que chegou a ser aventada. Só que Deus não dorme, medita e surgiu uma luz ao fundo do túnel, que o Divo entreabriu – a possibilidade de o Armário se perpetuar no poleiro, ainda que ocupando o mesmo cargo embora com o posto seguinte. O encarregado viu ali a possibilidade da sua vida que prometera aos papás na alcafózica infância – o de coleccionar todas as estrelinhas do firmamento albicastrense, todas, cumprindo, assim, a promessa em tempos feita à Senhora do Loreto…
A proeza que lhe garante a nomeação nesta apetecida categoria é corporizada pela proposta que endereçou ao Divo no sentido de manter o Armário com a consequente auto-promoção. Como se diz lá para as bandas da Senhora de Mércoles,
quien no tiene verguenza todo el mundo es suyo.
Felizmente alguém, que não da área do Divo, atempada e prudentemente alegando a sempre oportuna inoportunidade da satisfação do pedido, cortou cerce mais esta ganância maquiavélica que manteve o Armário em stand by quase uma semana.
b. - Mal cheirou a bispo na cataplana da EPG, apressou-se a suspender todos os padeiros, sucateiros, argoleiros, bolseiros, azulejeiros e quejandos alegadamente envolvidos na trapaça da contabilidade daquele Estabelecimento de Ensino (?). Todos? Não. Ficaram de fora TODOS os responsáveis por tudo o que se faz ou deixa de fazer (cf publicação do EME, cap V, pág 18) desde o macedonio madeirense até ao pavão artilheiro. A bem da imagem da Guarda. Merecendo um tratamento diferente, ficou esquecida a exoneração do peão que mantém nos SS… efectiva e judicialmente acusado de 3 crimes de falsificação.
c.Estava o gado expectante, murmurando sobre o teor do discurso a proferir em 0312ØØMAIØ6, numa festa substancialmente “danificada” dias antes pela Valentina Marcelino. O formato da prédica foi o esperado que não o conteúdo, o qual causou um autêntico bruahhhh entre os GTIs e GTDDI presentes ao sentenciar que “na Guarda não há lugar para desonestos”. O Bobi, o Tareco (de quem o nomeado detém o passe), as coelhinhas e demais GTs entraram, fundadamente, em pânico, chiando de desespero uma vez que de imediato associaram tal frase ao subsequente pedido de exoneração. Os dias seguintes foram de expectativa. As semanas, idem. O gado, expectante, saía e entrava nos gabinetes esperando o anuncio da despedida. Em vão. Afinal o discurso era para os outros, que não para o próprio… O passport enxerga o argueiro no olho alheio e não repara (pudera!!!) na trave encavalitada no seu próprio globo ocular.
Até o Cavaco franziu o sobrolho e procurou informar-se da coerência do CG… Vai lá, vai… que até o MAI abana.



C – ASSOCIAÇÃO OBEDIENTE AOS GENERAIS

Havendo quem rezasse pela alma desta corja, eis que renasce como a Fénix, manobra, joga, intriga nos meandros dos gabinetes, felina e furtivamente como é a sua marca. Apercebendo-se que o barco tinha um rombo que lhe poderia causar o soçobro, não perdeu tempo em reunir com os GTI (Xabelho/Coqueluche incluído), a quem fez, desde logo, juras de amor e fidelidade eternos.
No entanto, logo que confirmou a reparação do casco que lhe garante um período (ainda que limitado) de flutuação, de novo rumou ao apoderado inicial a quem prestou novo juramento de fidelidade e, imagine-se, até reflectiu (encefalopatia espongiforme, claro está…) para entoar loas, salmos e outras lérias ao remoçado patrão, que os recebeu e a quem teve oportunidade de agradecer mais esta manifestação de lealdade.
Esperam, um dia, ver ressarcidas as cambalhotas e flick flacks. Une-os a característica de, diariamente, recitarem a “Pedra Filosofal” do poeta Rómulo…

3) Categoria “PREITO”

3) Categoria “PREITO”

Destina-se a laurear o jumento ou récua que alardeie os seguintes dotes:
Físicos:
- Cifose pronunciada, precoce, desde a 2ª cervical até ao sacro;
- Retesamento do esternocleidomastoideo e raquitismo dos condilos occipitais;
Comportamentais:
- Desvios de personalidade;
- Vincado conceito de lealdade não dissociado da lisonja;
- Caixa de PS com óleo Johnson e um pacote de lenços Scottex;
- Solidariedade e manifestações emocionais sintonizadas aos humores do chefe;

NOMEAÇÕES
A – GR/GNR

É a casta de todos conhecida.
Sempre que existe oportunidade até os cumprimentamos, reverentemente, porque são influentes e estão bem colocados. No entanto, ao ler as OS onde constam os louvores intrujados, as condecorações vigarizadas (que fazem corar de vergonha os justamente agraciados), as nomeações para missões internacionais, para cursos civis, etc, damo-nos conta de quem é, afinal, esta gentalha. São os GTDDI.
Clonados, mentecaptos que nada fazem, nada fizeram e nada tencionam fazer em prol do que quer que seja, ou de quem quer que seja. Envergonham-nos. O termo ganhou, justamente, foros de insulto. São os bufos, os apaniguados, os Bobi e os Tareco cá da casa, mansos como cordeiros mas ordinários no seu íntimo, sem escrúpulos, de ambição desmedida feita à medida da dos chefes que servem vilmente. São os incondicionais do parasitismo, os que, de pingalim e bota alta, roçam o traseiro conspurcado nas poltronas ensebadas, os que saltam de gabinete como símios nas árvores das florestas tropicais. São os que, nos depoimentos que prestam no DIAP, prostituidamente, mentem descarada e ignominiosamente.
São os convidados para Monsanto, os que choram baba e ranho nas despedidas dos Armários de quem o EP, cirurgicamente, se procura desempecilhar. São os sem-pudor, que, qual hidra, servem simultaneamente todos os Senhores. São os confidentes, os que levam esta publicação aos chefes, são, esses sim, indignos de vestir uma farda que nunca souberam honrar, prontos a apunhalar o parceiro em troca de um prato de lentilhas e a mudar de teta mal se apercebem do mais ligeiro refluxo do leite. Por isso logo se agruparam, também, em torno do Xabelho. São os kapos de Auschwitz, judeus polícias dos judeus que um dia, inexoravelmente, por expirar o prazo de validade, terminarão a carreira no mesmo forno crematório.
Este é o prémio, que, gostosamente, o Arre Macho! confere ao Grupo de Reflexão da GNR. Sobre que pode tal grupo de desmiolados “reflectir(!)” se sempre houve quem reflectisse por eles….
Que medidas tomou o Maquiavel para desmontar este “bando de reflectores” que atenta contra a coesão na Guarda? Nem lá vai…ou “o que lá vai, lá vai…”

2) Categoria “ESTRABISMO”

2) Categoria “ESTRABISMO”

Destina-se a laurear a rês de cujo curriculum sobressaiam as qualidades de
- Visão suficiente e propositadamente enviesada;
- Acefalia congénita, com disponibilidade inata para a prepotência;
- Contumácia na asneira, escudada nos “doutos pareceres”, encomendados;
- Pulhice, imbecilidade e tacanhez em doses elevadas.

NOMEAÇÕES

A - GTII - Comandante “Geral”

Herdando uma conjuntura caótica relativamente ao património habitacional da Guarda, deu valiosos contributos para a manutenção/agravamento da situação, no que concerne às moradias do Estado, de que se destacam:
- A concessão de moradias a afilhados, enteados e afins, alguns dos quais procederam, previa e premeditadamente à venda das habitações respectivas;
- A concessão, ilegal, de uma moradia, sita nas Telheiras, à Tenente Cláudia Santos, Ajudante de Campo, celibatária, sem agregado familiar (conhecido), nem qualquer justificação, além de ser fêmea;
- Decisão de mandar às urtigas a “encomenda” de um estudo (!!!), cujas conclusões apontavam para a desocupação imediata de mais de um milhar (!!!) de moradias, habitadas e distribuídas ilegalmente – algumas das quais ocupadas por descendentes em 3º grau de ex-GNRs já falecidos, sub-alugadas, outras aparentemente desocupadas e de que se desconhecem os actuais inquilinos – porque atingem apaniguados seus, alguns dos quais recusaram, objectivamente, assinar o mandado de notificação da desocupação.
O próprio “comandante” (geral) ignora, ostensivamente, o que sobre este tipo de residências se encontra legislado, distribuindo, a seu bel-prazer, habitações a generais e oficiais da “côr”, alguns deles titulares, até de mais do que uma residência deste tipo.
O MAI assiste, impávido, quedo e mudo, ao delapidar e arruinar do Património Nacional, orgulhoso do “comandante” que tem a Guarda na mão (!), ainda que não se preocupe com o bem estar dos seus subordinados.
Até a barraca abana … (não a do Estado, porque essa ameaça ruir)



B - XABELHO de BIGEU

Imposto na quinta por (altos) interesses estranhos à pecuária, mercê das pastilhas que tomou na U.T.C. (Universidade da Trincheira e da Cangocha), rápida e fulgurantemente se inteirou dos “verdadeiros problemas da Guarda” que o encarregado-geral não resolveu e, devidamente acolitado por uma perfeita e de contornos politicamente definidos estratégia com apoios nos media, encetou aquilo a que apelidou de “limpeza” na leira a que se bateu e que o encarregado, generosa e hoje arrependidamente, lhe atribuiu.
Merecem destaque especial:
- As “descobertas” de (alegados) vazios legais no pagamento de diversos serviços, com o consequente cancelamento dos pagamentos;
- As festas para iraquiano ver com milhares de euros dispendidos em fogo de artifício, e num jantar a que o oficialato se baldou, comparecendo apenas os “nomeados”;
- O convite para o Comandante da Academia Militar assistir à instrução – de cariz essencialmente militar – com marchas forçadas, GAMs, quedas na máscara e quejandos (pobre Guarda !!!) dos “instruendos” que, incautos, julgaram um dia ter concorrido para integrar uma Força de Segurança;
- O apoio incondicional ao corcel GTI, quando este, “Oficial de Dia” no dia da Unidade, mandou uma boca que esteve na base de centenas de agentes recusarem tomar a 2ª refeição, gorando os esforços do GTD 2º Comandante.
- A “determinação” de suster/interromper as licenças de férias, planeadas, aos GTD, com o inaudito argumento da necessára presença para abrilhantar o desfile do (adiado) Dia da Unidade, ignorando os compromissos que as cavalgaduras assumiram com os familiares, com casas alugadas nas praias, etc.
- O discurso – pobre, chato, fastidioso e denotando desconhecimento dos temas que abordou – com que decidiu castigar os candidatos ao tal almoço.
E o “comandante geral”? Genérica, geral, angélica e generosamente assobia para o ar, ignorando as diabruras deste enfant terrible que, sabe-se lá, ainda um dia o pode ajudar (muito) na efémera busca da estrela do firmamento militar. Ah, pois é…. O meu inimigo de hoje será o meu melhor aliado amanhã… Bai lá, bai……

1) Categoria GAMANÇO

1) Categoria GAMANÇO
Destina-se a agraciar o animal cujo comportamento denote os seguintes predicados:
- Aspecto sisudo, reservado e sério.
- Carácter de gitano e espírito cleptómano.
- Vivo e permanente interesse pelo graveto.
- À-vontade e sem vergonha q.b. perante os concidadãos e classe política.
- Ar marcial e impoluto, tipo “Quem? Eu? Era incapaz disso!”
- Aparente desinteresse pelos bens terrenos.


NOMEAÇÕES

A - PASSPORT
Mercê de um parecer encomendado à Coelhinha Carla, tem vindo a auferir, abonado pela Guarda e incluído no seu soldo, um vencimento suplementar pelo exercício do cargo de Presidente do Conselho de Direcção dos Serviços Sociais da GNR.
O homem andava aflito, desabafando que viera para a Guarda e “estava a perder dinheiro”. Ao aperceber-se desta situação de miséria, o malcasado, dotado de um coração tipo “Madre Teresa de Calcutá”, rapidamente propôs um vencimento extra para o seu Chefe, até como forma de retribuir a benesse com que fora contemplado, pois desempenha funções de posto superior. O agora nomeado e candidato ao bago piscou o olho e “pediu” à sua mais querida assessora, um parecer. Isento, com certeza. A roedora, depois de aturado estudo, concluiu pela legalidade da bondosa iniciativa contemplando o amo com uns milhares de euros mensais, pelo exercício do cargo de Presidente do Conselho de Direcção dos SSGNR. Fundou-se na interpretação (esgrouviada) do artigo 15º do Dec.-Lei 194/91, que prevê o abono de um vencimento suplementar para quem exerça cargos deste género por acumulação. A Coelhinha, atacada de mixomatose, uma vez que aquele diploma apenas tem aplicação subsidiária e contraria o estipulado no nº 2 do artº 7º do nº 262/99 de 8 de Julho que preceitua que o GCG é, por inerência, o presidente dos SS, aquiesceu, condescendendo que o seu amado Senhor tinha, obviamente, “direito” ao graveto.
Foi um gesto de solidariedade muito bonito. Temos que ser uns p´rós outros, n’e´? Vai lá, vai, c’até a barraca abana…

TROFÉUS “CAGALHÃO DE OURO”

TROFÉUS “CAGALHÃO DE OURO”

Aproveitando a mudança para a ração verde, o Arre Macho! criou, num acto de absoluta justiça, a atribuição de galardões “CAGALHÃO DE OURO” destinados a laurear os generais, GTIs e afins que se têm notabilizando por atitudes, orientações e decisões dignas de ser realçadas e publicamente exaltadas. As nomeações estão a cargo de todos, cujos votos devem ser remetidos para o endereço electrónico.
Prevê-se luta renhida e leal (palavra tão querida quão maltratada por aquela casta) tal é a categoria dos candidatos e arrojados os dislates.

REGULAMENTO GERAL

Como o leque das asneiras e despropósitos é vasto, houve de proceder à segmentação dos ditos, agrupando-os por categorias, em função das qualidades alardeadas.
O Arre Macho! indica seguidamente as categorias e as virtudes que os nomeados devem alardear com o seu comportamento, adiantando já alguns dos nomeados assim como os factos justificativos da nomeação. ficando a aguardar a indicação de novos nomeados ou outras proezas a juntar às existentes e que confirmem os motivos da nomeação.
Os GTD indicarão o nomeado (se novo), a categoria para que é proposto e as proezas que consideram dignas de ser realçadas podendo, ainda, juntar novos contributos para as nomeações já existentes.
Os galardões são destinados, como atrás se disse, a agraciar o gado que se notabilizou ao longo deste ano e o nome do(s) laureado(s) constará do “Livro de Ouro” do Arre Macho!.
Apelamos à nomeação maciça, como forma de provar a vitalidade da publicação e o conceito em que é tido o gado agraciado.
As candidaturas são seleccionadas por um júri composto por elementos GTD básicos, rafeiros com provas dadas pela trela rafada de roçar nos empedrados das calçadas, por não ter dono e prezar a liberdade.
O galardão é constituído por uma miniatura da peça única, retirada de amostras fornecidas pelo cavalo rouxinol, com patente registada e é constituído por um cagalhão, emoldurado em palha de trigo, com banho de mijina a 18 de pH e vestígios de hemoglobina.
Os resultados serão tornados públicos na edição de Maio de 2007 coincidindo com o Dia da Guarda. À falta de instalações adequadas para se proceder à cerimónia da entrega das estatuetas, as mesmas serão remetidas aos agraciados em embalagem azul, hermeticamente fechada.
Cada galardão conterá uma placa com a inscrição com o nome do candidato e a categoria em que se “distinguiu”.
São instituídos galardões Cagalhão de Ouro para as categorias “Gamanço”, “Estrabismo”, “Companheirismo”, “Alucinação” e “Folha de Flandres (lata)”.

quarta-feira, julho 19, 2006

EDITORIAL


EDITORIAL

Motivos de ordem vária, levaram-nos a modificar a apresentação e difusão do Arre Macho!. No entanto, os conceitos e os objectivos porque continuamos a nortear a nossa luta, são estimulados quer pelas inúmeras manifestações de apoio que chegam ao nosso endereço electrónico quer pelos despautérios com que, dia a dia, os generais do EP nos continuam a presentear. Na verdade, se outros motivos não existissem ou caso duvidássemos da justeza da perspectiva que defendemos para a Guarda, estas duas ordens de razões constituiriam o melhor dos incentivos à continuação desta publicação. Os GTI vêm continuando a dar, generosamente como é seu predicado, o melhor dos contributos.
Conforme as sugestões de muitos camaradas, o Arre Macho! vai continuar a satirizar a tropa e respectivos apoiantes, recorrendo também aos sketches que tantos de vós nos fazem chegar. Se a leitura se torna mais interessante, os temas que continuam a merecer a nossa atenção são por demais sérios, gravosos e suficientemente elucidativos da estirpe desta espécie de gente a quem foram confiados os destinos da Guarda.

Por outro lado, continuaremos, como sempre, fiéis ao princípio de que apenas publicaremos notícias devidamente fundamentadas, ainda que a confirmação a que somos obrigados, prejudicando até a oportunidade, provoque algum atraso na publicação. Existe a costumada e escabrosa clique que coabita/sabuja os generais que não perde o ensejo para fazer contra-informação fazendo-nos chegar notícias sem fundamento mas com objectivos mais que definidos. Et por cause…
O Bobi e o Tareco entraram em défice de imagem por, desde há dois meses, não aparecerem, caninamente, nos gabinetes dos respectivos amos, ofegantes, de língua fora da boca, pingando saliva e rabo a abanar, com mais uma publicaçãozinha dissimulada por entre a papelada da pasta de despacho. Estão identificados. Assim como os que fazem jogo duplo. Há de tudo e espécie de gente para tudo.
A partir da presente edição “estamos na net” que poderá passar a ser visitada.
Um salutar relincho com votos de boa ração.